Ações sustentáveis de logística para estrutura temporária e obra estrutural

Nem sempre uma obra estrutural será a melhor escolha para um armazém, galpão ou construção de apoio. Optar por uma estrutura temporária pode sair mais barato e ser mais sustentável do ponto de vista ecológico.

Dependendo do tipo de demanda, a agilidade e o vão livre maior permitido por uma cobertura de lona podem ser fatores definitivos para a escolha por uma estrutura temporária.

Neste artigo, explicaremos melhor as diferenças entre estrutura temporária e uma construção permanente e como cada escolha pode impactar na sustentabilidade e otimização da logística.

O que é uma construção permanente?

Uma construção permanente é aquela tradicional, normalmente de alvenaria, que exige fundações para ser erguida e normalmente é feita com o objetivo de durar por tempo indeterminado.

Quando uma empresa decide investir nesse tipo de edificação, normalmente ela visa o longo prazo. Construções tradicionais são mais caras e causam um impacto ambiental maior que o de uma estrutura temporária.

Além disso, boa parte dos materiais não podem ser reaproveitados, caso seja necessário modificar ou mudar a estrutura de local. Em ações de logística, isso se torna um problema, pois o dinamismo dessas operações exige uma adaptação de espaços maior, assim como velocidade na hora de construir.

O que é uma estrutura temporária?

Estruturas temporárias são aquelas feitas com o objetivo de operar apenas por um período pré-determinado de tempo. São usualmente edificadas para dar suporte a uma operação de logística ou até as obras de uma construção permanente.

Entre as vantagens de optar por esse tipo estrutura está a agilidade: elas são levantadas e podem operar em uma fração do tempo gasto para construir uma estrutura permanente. O impacto ambiental também é bem menor

Como elas não exigem fundações, elas são bem mais práticas do ponto de vista de otimização da logística.

Existem dois tipos principais de estruturas temporárias para a armazenagem: os galpões estruturados e os infláveis. Os primeiros possuem um elemento estrutural metálico que sustenta a lona utilizada para o fechamento lateral e do teto. Os vãos ficam entre 10m e 50m.

Já os infláveis são aqueles sustentados pela diferença de pressão interna e externa, que é produzida por ventiladores elétricos e a diesel.

Ambos os formatos de estrutura temporária podem ser montados em qualquer tipo de piso, desde que compactado e nivelado. O revestimento é com uma lona de PVC especial que bloqueia os raios ultravioleta e é auto-extinguível.

Para empresas que precisam emergencialmente armazenar um grande estoque, o sistema inflável é a melhor solução, tanto pela sua velocidade quanto pelo espaço disponibilizado. Os ventiladores inflam a estrutura em minutos e, como não existem colunas ou tirantes, toda a área coberta pode ser utilizada.

Além disso, o sistema de ventilação promove a troca de ar do ambiente. A desvantagem aqui é o consumo constante de energia elétrica.

Por isso, em alguns casos a estrutura metálica pode ser mais eficaz. Além de ter uma manutenção mais barata, ela permite um pé direito mais alto e uma otimização melhor do espaço.

E agora que você já sabe as diferenças entre construção permanente e dois tipos de estrutura temporária, compartilhe este artigo com seus colegas nas redes sociais!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Share This